Curso de Agente de Viagens Online

Assuncion


PONTOS TURÍSTICOS E CULTURAIS
 
- Panteón de los Héroes (monumento)
- Museu Godoi
- Igreja de La Encarnación
- Palácio Presidencial
- Catedral Metropolitana
- Jardim Botânico
- Casa da Independência
- Centro histórico (prédios com arquitetura )
- Casa de la Cultura
- Prédio dos Jesuítas
- Centro da República
 
 
Fuso horário - De outubro a abril, o país adota o horário de verão, quando os relógios são adiantados uma hora. No restante do ano, também há diferença de uma hora com relação ao horário de Brasília.
 
Código do país - 595
 
Código de Assunção - 21
 
Moeda - Prepare-se para encher a carteira com notas de guaranis que chegam a valer até 100.000 e moedas com valor de até mil guaranis. É intensa a oferta de serviços de câmbio nas principais ruas do centro, mas faça a troca de dinheiro apenas em casas oficias ou nos bancos.
 
Cotação - Para saber quanto vale o guaraní, acesse economia.uol.com.br/cotacoes/.
 
Idioma - Espanhol e guarani são as línguas oficiais do país. O português pode ser ouvido em diversos pontos da cidade, sobretudo nas regiões de maior concentração turística como o centro histórico. Em muitos estabelecimentos comerciais é possível comunicar-se em português.
 
Internet e telefone - O turista brasileiro ainda sofre com a baixa velocidade dos serviços de Internet na cidade. A rua Palma, no centro histórico de Assunção, oferece algumas opções de serviço. Orelhões são raros na capital paraguaia, por isso o melhor são os locutorios (estabelecimentos com cabinas telefônicas para ligações nacionais e internacionais).
 
Comércio - Os principais estabelecimentos comerciais funcionam entre 8h e 18h, e os bancos, das 8h30 às 13h30. O hábito de fechar para a siesta é mantido em alguns pequenos comércios.
 
Gorjeta - As contas em restaurantes não incluem o valor de serviço dos garçons. É normal deixar 10% de gorjeta.
 
Segurança - Embora seja a capital do país, Assunção tem um ar que lembra algumas cidades do interior paulista. No entanto, o visitante deve tomar os cuidados como em qualquer outra grande cidade: para ir aos locais mais afastados do centro, procure tomar táxis; à noite, procure circular pelos pontos com maior concentração de pessoas ou de policiais (o centro histórico é bem policiado).
 
Com cerca de 600 mil habitantes, Asunción é a menos conhecida das capitais do Mercosul. Sem o esplendor de Buenos Aires, o patrimônio arquitetônico de Montevidéu ou o arrojo de Brasília, a capital paraguaia possui um rico passado que a torna igualmente interessante.
Fundada em 1537 por Juan Salazar y Espinosa, de Asunción partiram as expedições que fundaram Buenos Aires, colonizaram o interior da Argentina, Bolívia, Paraguai e deram origem às primeiras Missões Jesuíticas da bacia do Prata.
 
Apesar de seu apogeu datar da época da colônia, pouco restou daquele período. A Asunción de hoje, arquitetonicamente falando, é uma mescla de construções do século XIX e início do século XX, com edifícios contemporâneos construídos a partir da década de 1960.
 
Seu centro histórico, concentrado em um compacto retângulo que engloba, também, os principais edifícios cívicos do país, pode ser percorrido a pé, com inúmeras opções de monumentos, museus e centros culturais para enriquecer a visita.
 
Em sua edição de hoje, o SopaBrasiguaia.com traz para você um guia completo, com os principais atrativos turísticos de Asunción ordenados geograficamente, de maneira a compor um roteiro para melhor aproveitar sua estadia na capital paraguaia.
 
Centro Histórico
 
O centro histórico de Asunción confunde-se com sua zona comercial, demarcada pelas ruas Antequera (leste), Francisco Solano López e Paraguayo Independiente (norte, paralelas ao rio Paraguai), Colón (oeste) e Haedo (sul). Para visualizar esta região no mapa, clique aqui.
 
Nosso roteiro começará pela Plaza Uruguaya, na esquina das ruas Antequera e Eligio Ayala. Neste local, ao lado da Estación Central de Ferrocarril (foto), primeira estação de trem da América do Sul, situa-se o Hotel Plaza, estabelecimento altamente recomendado por este que aqui escreve.
 
Subindo pela rua Antequera, três quadras acima da praça, chega-se à Escalinata Antequera, escadaria neoclássica onde se pode desfrutar de um pouco de tranqüilidade e admirar um belíssimo panorama da cidade e da Baía de Asunción, ao fundo.
 
Voltando em direção à praça, vire à direita na rua Eligio Ayala e suba uma quadra para ver um dos poucos locais onde o casario típico do final do século XX ainda se mantém intacto. Nos fundos da estação de trem, hoje centro cultural, há vagões e uma locomotiva abandonados ao relento.
 
Retorne à praça e tome a rua Mariscal Estigarribia, que dará acesso à Calle Palma, principal artéria comercial da cidade. No caminho em direção à Plaza de la Democracia, pare para visitar o Museo de Bellas Artes (Estigarribia c/ Iturbe), com um pequeno, mas significativo acervo.
 
Três quadras adiante, na esquina da Plaza de la Democracia com a Calle Palma, está o Panteón de los Héroes (foto), construído para ser oratório, mas adaptado ao gosto militar para abrigar o túmulo do Soldado Desconhecido e homenagear os “heróis” da pátria.
 
Pare para tomar um café, descansar e sentir a cidade no Lidô Bar, elegante café situado justo em frente ao panteão. Seguindo pela Calle Palma, chega-se ao Turista Róga, posto de informações da Secretaria Nacional de Turismo (fone 491.230), onde se pode obter mapas e folhetos.
 
Ao chegar à esquina com a rua 14 de Mayo, vire à direita para chegar à Casa de la Independencia, onde tramou-se a conspiração que expulsou os espanhóis, em 1811. Atrás da casa está o insólito Callejón Histórico, beco por onde entravam e saíam os líderes do movimento separatista.
 
Hora de deixar o agito e descer em direção ao rio, onde a antiga Plaza de Armas abriga a maior concentração de prédios históricos do Paraguai. Para contemplar melhor a paisagem, entre no casarão do Correo Nacional, em estilo espanhol, e suba no terraço para tirar fotos.
 
No lado sul da praça, estão o restaurado Teatro Municipal e o quartel da Policia Nacional, utilizado pelas tropas brasileiras na invasão de 1870. No lado leste, faça uma visita à feira livre e entre na Catedral (foto), cujo edifício atual data de 1845.
 
No lado do rio (norte), está o antigo Cabildo, restaurado e transformado em centro cultural (um dos melhores do país, diga-se de passagem). Em frente a este, repare na cruz que assinala o monumento em homenagem aos jovens mortos durante o tristemente célebre “Março Paraguaio”.
 
Seguindo pela rua que margeia o imponente Congresso Nacional, chega-se ao Palácio de López (foto), sede do Poder Executivo. Apesar de não ser possível visitá-lo, pode-se caminhar por seus jardins às margens do rio, onde encontra-se ancorado o barco-museu Cañonero Humaitá.
 
Em frente ao palácio, está o Centro Cultural Manzana de la Rivera, com casas interligadas que ocupam um quarteirão inteiro e abrigam inúmeras instalações culturais, como o Museo de la Ciudad e a Biblioteca Municipal.
 
Se ainda tiver fôlego (e o tempo e o estômago permitirem), faça uma visita ao Porto, de onde é possível pegar um barquinho até o Club M’biguá (50 minutos - ida e volta), do outro lado da baía de Asunción, e admirar a belíssima paisagem urbana.
 
Em frente ao porto, na Av. Colón, caminhe entre as brancas arcadas da Recova, hoje ocupadas por lojas de artesanato e souvenirs. Um pouco mais afastado, na esquina das ruas Haedo e 15 de Agosto, localiza-se a maior igreja de Asunción, a Iglesia de la Encarnación, fechada para reforma.
 
Fora do Centro
 
Alguns dos maiores atrativos turísticos de Asunción localizam-se fora da região central. A maneira mais econômica para se deslocar é utilizando o transporte coletivo, com ônibus identificados por números e passagem custando G$ 2.100, cerca de R$ 0,90.
 
Das ruas Oliva e Cerro Corá, partem os ônibus que levam à região leste da cidade e, também, para a rodoviária (Terminal de Omnibus). Nas ruas Presidente Franco e General Díaz, param os ônibus que vão para as regiões sul e oeste de Asunción.
 
O melhor museu do Paraguai é o Museo del Barro, zona leste de Asunción. Para chegar até lá, pegue o ônibus nº 30 e puxe a campainha três quadras após o Shopping del Sol. Entre à direita na Calle I (farmácia na esquina) e vire à esquerda na primeira rua. Informe-se antes sobre os horários.
 
Outro atrativo ao qual se chega de ônibus é a Iglesia de la Trinidad (foto), considerada por muitos (e por mim) como a mais bonita do Paraguai. Pegue a linha nº 23 e peça ao motorista para avisá-lo no desembarque, embora a torre da igreja seja visível à distância.
 
Próximo à Trinidad, está o Jardim Botânico, que de botânico nada tem, mas abriga o Museo de Historia Natural e o mal-cuidado Jardim Zoológico. Partindo do centro, pegue os ônibus 44, 23 ou 35. Próximo ao botânico, na Av. Artigas, estão as macabras ruínas do supermercado Ycuá Bolaños.
 
Para quem gosta de feiras, um dos maiores atrativos de Asunción é o Mercado Municipal nº 4, uma caótica mistura de cheiros, cores e sabores. Para chegar lá, pegue qualquer ônibus que esteja com a indicação “Mercado 4” na janela frontal.
 
Os aficionados em futebol podem visitar a sede da Confederação Sulamericana de Futebol (CONMEBOL), em Luque, ou o museu anexo ao Estádio Defensores del Chaco. Para chegar ao estádio, pegue o ônibus nº 56 nas ruas Eligio Ayala (em frente ao Hotel Plaza) ou Presidente Franco.
 
No extremo sul de Asunción, pode-se subir no mirante do Cerro Lambaré, com belíssimos panoramas da cidade e do rio Paraguai. A segurança no local foi reforçada, mas para evitar imprevistos, visite o cerro apenas durante o dia.
 
Hospedagem e Alimentação
 
Conforme mencionado anteriormente, recomendo o Hotel Plaza, que além de ser barato e bem localizado, possui quartos e banheiros limpos e um excelente café da manhã. Consulte o site da Secretaria Nacional de Turismo para obter a relação de meios de hospedagem e agências de turismo.
 
Comer em Asunción é extremamente barato, se comparado com as demais capitais do Mercosul. Para comer bem e gastar pouco, recomendo a praça de alimentação dos shoppings Mall Excelsior (centro) ou Shopping del Sol e as redes Ña Eustaquia (chipas) e Don Vito (empanadas).
 
Quando Ir?
 
Evite os meses de verão (novembro a fevereiro), pois as temperaturas ultrapassam facilmente a casa dos 40º C. Além disso, nos meses de janeiro e fevereiro, a maioria dos museus e centros culturais estatais encontram-se fechados.
 
Nos meses de julho e agosto, os termômetros acusam significativa queda, podendo registrar temperaturas abaixo de zero. Minha época preferida é a primeira quinzena de agosto, quando a cidade está decorada para a comemoração de seu aniversário (15/08).
 
Reserve pelo menos dois dias para conhecer Asunción. Se sua intenção for ficar uma semana, utilize a cidade como base para conhecer os atrativos dos arredores, como a Basílica de Caacupé e as vilas do Lago Ypacaraí.
 
A rodoviária (Terminal de Omnibus) está situada na esquina das avenidas Fernando de la Mora e República Argentina, bairro Terminal. Do centro até lá, são aproximadamente 25 minutos com os ônibus 8, 10, 25, 31 e 38, entre outros.
 
Informações Úteis
 
Para informações sobre documentação, câmbio, clima, telefonia, horário, meios de transporte, feriados, etc, consulte nosso guia “Turismo no Paraguai”, clicando aqui. Para ver a galeria de fotos com os principais atrativos turísticos de Asunción, clique aqui.
 
Próximo Domingo: conheça as atrações turísticas de Ciudad del Este e região. Não perca!
 
Por Guilherme Dreyer Wojciechowski - SopaBrasiguaia.com