Japão

Descrição

Há um clichê pra lá de batido para descrever o Japão: a terra do sol nascente, onde tradições milenares convivem com a mais alta tecnologia. Não que não seja verdade, mas é uma visão um pouco simplista. A terceira maior economia do mundo tem muito mais a oferecer do que robôs, sushi e samurais. Tóquio é a super-megalópole mais limpa e organizada do planeta, com a mais alta concentração de excelentes restaurantes de alto nível do planeta – e não estamos falando só de sashimi, mas casas que oferecem pratos italianos e franceses que você não encontraria em Bolonha ou Paris. Ao seu redor estão passeios imperdíveis como a calma Kamakura, a histórica Nikko e a pouco-histórica Tokyo Disneyland. Tomando o trem-bala, opte por vistas espetaculares do Monte Fuji ou dos incríveis Alpes Japoneses, perfeitos para caminhadas idílicas ou ótimas pistas de esqui. A região de Kansai, onde se localizam as cidades de Kyoto, Osaka e Nara, é o lar cultural do Japão, com os mais notáveis templos, palácios e castelos do país. Por ali você ficará cara a cara com a cerimônia do chá, a meditação budista, as gueixas e o kaiseki – o banquete no estilo japonês. Rumo ao sul, compreenda a razão pela qual Hiroshima é um símbolo da paz e descubra o Japão tropical nas praias paradisíacas banhadas pelas águas azuis de Okinawa.

Tomando o caminho do norte, paisagens selvagens e montanhosas são os destaques. Em todas as estações do ano Hokkaido seduz seus visitantes, ora com tapetes sem fim de lavandas em flor, ora recebendo esquiadores de todo mundo em super resorts como Furano e Niseko.

Se seu negócio são compras, longe dos óbvios eletrônicos está uma miríade de opções que faz pessoas passarem dias inteiros dentro das lojas de departamento. De uma simples papelaria a um charmoso quiosque gourmet, de bolsas de design exclusivo a instrumentos musicais, o Japão pode deixá-lo completamente exausto com tantas alternativas. Isso para não falar da gastronomia, que do tradicional ao fusion combinou receitas nativas com importações da Ásia e Europa para criar uma cozinha bela, saborosa e, mais importante do que nunca, nutritiva.

COMO CHEGAR

Não há mais voos diretos entre o Brasil e o Japão. Hoje as opções limitam-se a Air Canada (www.aircanada.com, via Toronto e Vancouver), British Airways (www.britishairways.com, via Londres), Delta (www.delta.com, via Nova York), Emirates (www.emirates.com, via Dubai) e Korean Airlines (www.koreanair.com, via Los Angeles e Incheon, com boas opções de voos para várias cidades do Japão).

CIDADES: TÓQUIO

A capital do Japão é uma das maiores megalópoles do planeta, uma imensa e pulsante mancha urbana com centenas de quilômetros de linhas de trem e metrô, dezenas de espetaculares edifícios onde matrizes de multinacionais enviam ordens a todo o planeta e milhões de pessoas andando de lá para cá. Mas quase nenhum motorista toca a buzina, as ruas são incólumes e existe um respeito velado pelo próximo. O futuro está nas cidades, então que elas busquem soluções sustentáveis e sociais como as que Tóquio (ou Tokyo) vem buscando concretizar.

A cidade histórica, que remete diretamente ao vilarejo de pescadores no estuário do rio Sumida, está presente em Asakusa – o tradicional distrito comercial com o fotogênico templo Sensoji, e em Ryogoku – onde enormes lutadores de sumô passeiam despreocupadamente em suas bicicletas. A cidade jovem e vanguardista você verá nas sempre animadas ruas de Shibuya e nas baladas de Roppongi – apinhadas de turistas estrangeiros. A alta gastronomia e o consumo de grifes famosas estão espalhados por toda a cidade, mas especialmente em lugares como no bairro de Ginza e na movimentada alameda Omotesando você encarará um público dos mais exigentes. Não importa se o seu destino inclui multicoloridos neons ou calmos jardins, Tóquio continua sendo uma das cidades mais vanguardistas do planeta, mirando em soluções para temas como sustentabilidade, transporte público de massa e poluição (sonora, visual, do ar). Até a famosa sociedade de consumo desenfreado vem dando lugar à atitudes mais responsáveis e frugais.

Tóquio é a terra do sushi, que surgiu em volta de mercados de pescados como o gigantesco Tsukiji, portanto não tente achar opções por aqui com tabasco, cream cheese e maionese. Opções de compras são muitas, variadas e tentadoras, oscilando entre o impecavelmente chique, sedutoramente bem desenhado, docemente fofo (você irá se fartar com Pikachus e Hello Kittys) e insanamente tecnológico (boa parte do melhor em eletrônicos e fotografia fica restrito ao mercado interno). Ou seja, foi com essa mistura de design, funcionalidade e preços razoáveis que o Japão conquistou o mundo e continua chamando a atenção de consumidores em todo planeta.

CIDADES: YOKOHAMA

Uma das maiores cidades do Japão, Yokohama e seu movimentado porto vivem à sombra da vizinha Tóquio, a dinâmica e gigantesca capital.

Quando o centro do poder econômico e político migrou da antiga capital Kyoto para a Edo (atual Tóquio) do clã Tokugawa, Yokohama começou a prosperar. O empurrão seguinte, e mais significativo, foi a abertura dos portos japoneses ao comércio exterior, depois de mais de 200 anos de clausura. De repente, a cidade tornou-se a principal porta de entrada de produtos, vestuários, alimentos e ideias estrangeiras, tornando-se um destino cosmopolita e a plataforma de um Estado moderno, moldado, em grande parte, sobre conceitos ocidentais.

Ao mesmo tempo que essa proximidade com a capital ajudou a catapultar seu desenvolvimento, ele também obscureceu sua identidade. Em parte, Yokohama, capital da província de Kanagawa, passou a ser uma espécide cidade-dormitório, quase um subúrbio da irmã maior.

Tudo começou a mudar um pouco em meados do século 20, com o desenvolvimento de suas antigas docas e armazéns. Uma miríade de novos restaurantes, centros de lazer, hotéis e centros de convenções surgiram na região, tornando-a uma alternativa atraente e aprazível à Tóquio.

Entre suas maiores atrações estão o edifício Landmark Tower, um dos mais altos do país, a sua movimentada Chinatown e o Estádio Nissan, palco da final da Copa do Mundo de 2002 e de partidas do Mundial de Clubes de 2012. Próxima à cidade fica também a histórica cidade de Kamakura, repleta de importantes templos budistas e casa do Grande Buda de bronze, um das mais elegantes estátuas do país.

CIDADES: KOBE

Kobe é a mais cosmopolita cidade da tradicional região de Kansai. Enquanto Kyoto e Nara possuem profundas raízes históricas e culturais, em grande parte por terem sido ambas capitais do Japão, Kobe sempre teve um ar moderno e dinâmico, desapegado dos laços que a corte imperial e as elites impunham. Seu DNA mercantil, influenciado pela vizinha Osaka, testemunhou o fluxo continuo de navios, produtos, ideias e pessoas de todo o globo. Daqui partiram boa parte dos imigrantes japoneses que no século 20 elegeram o Brasil como seu novo lar. Aqui a mente do japonês é mais aberta, extrovertida. Esta é uma cidade bem diferente do resto do Japão.

Há duas áreas onde isto é sentido mais facilmente. A área junto ao porto possui vários monumentos, as antigas embaixadas estrangeiras e museus de arte. Aqui também se encontram o agradável Meriken Park, uma área comercial bastante movimentada entre Sannomiya e Motomachi e uma pequena, mas interessante Chinatown. Já em Kitano, a área ao norte junto às montanhas, o turista poderá ver belas mansões em estilo ocidental, hoje transformadas em elegantes casas de chá, lojas de artigos para o lar, restaurantes e pousadas. É talvez o passeio mais popular da cidade.

CIDADES: OKINAWA

Um Japão que é um tanto diferente. No arquipélago de Okinawa tudo tem sua própria identidade, cores e sabor. Localizado entre Kyushu, a mais meridional das quatro grandes ilhas japonesas, e Taiwan, o antigo reino de Ryukyu representava uma encruzilhada comercial entre os povos malaios, chineses e nipônicos. Dessa mistura surgiu uma cultura própria, com um dialeto distinto do japonês moderno, onde a sonoridade do banjo sanshin e o ritmo da dança eisa dão o tom da alegria de seu orgulhoso povo.

Boa parte dos turistas vem a Okinawa para conhecer suas praias de areias brancas e águas azuis, encostadas ora junto a mega resorts, ora em ilhazinhas completamente isoladas. Com uma boa garrafa de destilado awamori e ao som da melodiosa música local, não poderia ficar melhor.

O arquipélago é dividido em três grupos menores de ilhas: Okinawa -- onde estão a capital Naha e as ilhas Kerama, Tokashiki, Ie e Kume --, Miyako e Yaeyama -- formada pelas ilhas Iriomote e Ishigaki. Cada uma tem uma arquitetura um tanto distinta das demais, seus próprios costumes e palavreado próprio. Visitar cada uma delas é praticamente impossível em uma só viagem, portanto vale a pena aproveitar bem uma estada mais alongada em uma ou duas delas.

 

 

Informações Gerais

Sites: www.japantravelinfo.comwww.visitjapan.jp
População: 123.000.000 hab
Código de área: +81
Fuso horário: 12h (horário de Brasília)
Localização: Ásia
Moeda: Iene (¥)
Como ligar para o Brasil: IDC - 0066 55 055, KDD - 0053 9551
Visto: É necessário visto. Mais informações junto aos consulados em São Paulo, Brasília, Rio de Janeiro, Belém, Manaus, Recife, Curitiba e Porto Alegre.
Embaixada no Brasil:
Av. das Nações, Quadra 811, lote 39 Setor de Embaixadas Sul Brasília-DF 
(61) 3442- 4200
www.br.emb-japan.go.jp