Cruzeiros no Brasil

 

A História dos Cruzeiros Marítimos......

 

Navegar pelos mares sempre foi algo que atraiu o homem, seja para explorar novos horizontes ou mesmo para usufruir do charme que é uma viagem marítima.  Na segunda metade do século 19, o mundo desenvolveu apetite pelas viagens, mais viajar pelo mar não era novidade nenhuma.

 

O primeiro transatlântico de transporte de pessoas aconteceu em 1819, o navio norte-americano cruzou o Atlântico auxiliado por um motor a vapor. O S. S. Savannah, proveniente da cidade norte-americana homônima, zarpou em 22 de maio de 1819 e aportou em Liverpool, Inglaterra 29 dias mais tarde, dando início a era dos cruzeiros.

No início do século 20 com o crescente número de emigrantes que lotavam os transatlânticos a caminho dos Estados Unidos fez crescer o setor de navios de passageiros. As viagens a aconteciam basicamente em uma direção, entre Inglaterra e Nova York, ainda que passageiros ricos também costumassem viajar entre estes destinos para negócios ou férias.

 

A britânica White Star Lines construiu a primeira frota mundial de transatlânticos a partir de 1849, revolucionando e dominando esse mercado pelos 60 anos seguintes. Os navios da White Star bateram recordes de tamanho e de luxo, a empresa construiu, entre outros, três grandes transatlânticos conhecidos: os O Olympic, o Britannic e o Titanic.

Com a chegada do avião, e sua rapidez, as pessoas chegavam a seus destinos em uma fração do tempo que a viagem de navio custaria, por isso as linhas de navegação alteraram seu modelo de negócios e se concentraram no turismo. Em 1900, a American-Hamburg Company encomendou a construção do primeiro navio especificamente projetado para cruzeiros.

 

No Brasil o gosto pelos cruzeiros marítimos demorou um pouco mais a se instalar, em 1961 foram adquiridos quatro navios para prestar serviço de cabotagem entre portos nacionais e incrementar os cruzeiros marítimos. Foram comprados em estaleiros da Espanha e da Iugoslávia e entregues à Companhia Nacional de Navegação Costeira (mais tarde Loyd Brasileiro). Chamavam-se Anna Nery, Rosa da Fonseca, Princesa Leopoldina e Princesa Isabel. 

Nos anos que se seguiram a Linea C enviou alguns dos seus mais charmosos transatlânticos para costa brasileira.
Durante quase 30 anos a Linea C, ou seja, a Costa Cruzeiros, dominou este seguimento na costa brasileira e foi líder, tanto em participação de mercado, quanto em participação na mente das pessoas e admiradores. Navios como o saudoso Eugenio C ou Costa Marina, traziam elegância, deslumbre e conforto.

Eram navios modernos e levavam consideráveis vantagens sobre outras companhias que atuavam em navios de pequeno porte no Brasil.

 

Com o passar dos anos outras empresas do segmento perceberam o potencial deste mercado e as inúmeras oportunidades em investir no mesmo, trazendo ao nosso país navios como Splendour of the Seas, o maior até então a realizar roteiros pela costa brasileira.

 

Hoje são 140 partidas de cruzeiros na costa brasileira, isso só do porto do Rio de Janeiro, que com certeza fica atrás de Santos, líder em número de partidas no Brasil.

São dezenas de rotas diferentes, para todos os gostos e preços. Também são muitas as opções de navios, já que na temporada 2009/20010 estão na costa brasileiras 5 navios da MSC, 4 navios da Costa Cruzeiros, 3 navios da Ibero Cruzeiros e outras empresas como Royal Caribean, Princes Cruizes entre outras eventuais.

Opções a partir de U$ 299,00 por pessoa + taxas ou com 2º passageiro grátis, facilidades no pagamento em até 10x sem entrada e sem juros e muitas facilidades que possibilitaram ao público brasileiro conhecer e usufruir do charme que é fazer um cruzeiro marítimo. 

A cada ano tem aumentado a procura de cruzeiros na costa brasileira.