São João no Nordeste

 

São João no Nordeste, Alegria para Santo Nenhum Botar Defeito! Você precisa ir a essa festa!

Quando pensamos em São João, quase sempre, nos remetemos aos grandes festejos das cidades nordestinas. Festas que muitos brasileiros ainda não tiveram a oportunidade de conhecer e nem podem imaginar sua imensidão.

O São João nordestino é uma festa tão tradicional e comemorada quanto o carnaval da Bahia ou do Rio, o natal na Serra Gaúcha ou mesmo a festa de Parintins na Amazônia. Esperada com ansiedade e animação em todas as cidades, em duas delas, este evento se tornou tão tradicional que chegam a comemorar a data por mais de um mês: Caruaru – PE e em Campina Grande – PB.

Por ter nascido no nordeste e passado a minha juventude em meio a estas tradições, sinto uma gostosa saudade e nostalgia, pois não existe no Brasil quem forrozei tanto em uma só festa!

Vários costumes juninos representam atos em homenagem a São João. A fogueira lembra o anúncio do nascimento de João Batista, nas noites de junho são montadas fogueiras como forma de comemoração. A quadrilha, de origem francesa, era uma dança típica que comemorava os casamentos da aristocracia européia.

Os tecidos finos da nobreza deram lugar à chita, tecido mais barato e o casamento nobre foi adaptado a uma encenação.

A história é sempre a mesma: a noiva, que geralmente está grávida, é obrigada a casar pelos pais e o noivo recusa, sendo preciso à intervenção da polícia para que o caso se resolva. A quadrilha é realizada como comemoração do casório.

A mudança dos passos é anunciada por um locutor ao som do forró. Existem, hoje, as chamadas quadrilhas estilizadas com passos marcados, coreografias ensaiadas, grandes concursos e padronização das vestimentas, quadrilhas profissionais, eu particularmente adoro as improvisadas, são muito mais divertidas e engraçadas.

Nesses grandes arraias são montadas gigantescas cidades do forró, se dança a noite inteira, e deliciar-se com as maravilhas culinárias desta festa como: Bolo de milho, Pé de moleque, mungunzá, pamonha, milho preparado de todas as maneiras e muito quentão.

Também é palco de muita paquera e encontros românticos, afinal, mesmo sendo uma música muito alegre e vibrante, o forró se dança bem agarradinho, o que despertar muitas paixões e desejos.

Com tudo isso, o mais bonito desta festa é união que ela proporciona. Normalmente comemorada em família, entre fogos e bandeirinhas, é uma festa colorida, barulhenta, saborosa e muito alegre.

Em Caruaru:

A riqueza cultural de Caruaru, cidade que leva a fama de promover o maior e melhor São João do mundo, é realmente uma atração a parte. Durante todo o mês de junho, acontecem shows, apresentações de grupos folclóricos, mamulengos, bacamarteiros, bandas de pífano, aboiadores, coquistas, recital, repentistas, trios pé-de-serra, festival de quadrilhas, mostras de arte popular, entre muitos outros atrativos.

O evento é extremamente democrático, pois, além de ser gratuito, ele também atrai um público diversificado: “Existem atrações para crianças, para a família, para quem só quer curtir a gastronomia, para os jovens amantes do forró moderno e para aqueles que não abrem mão do tradicional forró pé-de-serra”.

Caruaru também é um grande pólo comercial, considerada pela UNESCO como o maior “Centro de Artes Figurativas das Américas”. A cidade, que fica a 130 km de Recife, e também abriga uma das maiores feiras ao ar livre do mundo, o turista fica fascinado com tanta diversidade, com a manifestação popular e com a gastronomia exótica.

Outras atrações:

Feira do Artesanato
Nela que concentram-se todos os tipos de artes manuais produzidas por artistas que utilizam o barro, madeira, pedra, metal, palha, coco, cordas, couro, rede, bordados, lã, latas, como matéria-prima.

Feira da Sulanca
A Feira da Sulanca, a mais famosa, destina-se mais a comerciantes de outras localidades que vão a Caruaru em busca de roupas a bons preços para revender. São mais de 10 mil barracas que atendem, em média, mais de 40 mil pessoas por feira.

Feira Livre
Na Feira Livre é possível encontrar flores, panelas, calçados, roupas, raízes e ervas, e a Feira do Troca-troca, onde não se usa dinheiro. Tudo é trocado em negócios que chegam a ser, no mínimo, estranhos: aves são trocadas por roupas, relógios por rádios, bicicletas por animais etc.

 

Outros Atrativos:

 

Museu do Barro - Museu do Forró - Espaço Elba Ramalho
Museu da Fábrica de Caroá
Memorial de Caruaru
Sala José Condé - Galeria de Arte Filemon Bastos
Casa-Museu Mestre Vitalino

Morro do Bom Jesus

Espaço Cultural Tancredo Neves

Alto do Moura

Serra dos Cavalos