Paris para crianças – Claudia Gazel, para Viagem e Turismo

20/03/2015 15:42

OLHA, É A TORRE EIFFEL!

Protagonista dos cartões-postais mais famosos da cidade, o grandioso monumento erguido no século 19 rende um passeio divertido (e inesquecível) com as crianças

Por Claudia Gazel – Guia Férias com Crianças 2012/2013 – Editora Viagem e Turismo

Ela tem 123 anos de idade e, há muito tempo, tornou-se a “tia” parisiense que “sobrinhos” de todo o mundo sonham em visitar.
Não, não estou me referindo a uma senhorinha de boina e bengala, cercada de gatos. Estou falando, mesmo, da venerável Torre Eiffel (Champ de Mars, metrô Bir-Hakeim, tour-eiffel.fr; 9h/23h; US$18,36, US$ 16,40 para jovens de 12 a 24 anos, US$ 12,46 para crianças de 4 a 11 anos, grátis para menores de 4 anos), construída para a Exposição de Paris, em 1889, e logo transformada em ícone supremo da França. Há poucos meses, no início de 2012, tive a chance de apresentá-la a dois sobrinhos brasileiros, Vitor e Gustavo, de 5 e 3 anos, respectivamente. E não pude deixar de notar que, ao chegarem pertinho dela, os dois a olharam com a mesma expressão que dirigiram a mim, ao entrar pela primeira vez na casa parisiense em que vivo há dois anos: havia um misto de curiosidade, admiração e alegria naqueles rostinhos.
Essa relação de encantamento com a torre é fácil de ser compreendida. Com 324 metros de altura, ela tem a habilidade de deixar adultos e crianças sempre de boca aberta. “Noooossa, ela é muito grande!”, exclamou Vitor naquele dia, assim como muitos pequenos já o devem ter feito, nos mais variados idiomas. Conter a ansiedade das crianças lá embaixo requer paciência, principalmente quando elas descobrem que a visita pode continuar pelo interior da torre, rumo ao seu topo. Aí, de duas, uma: ou você acalma os ânimos da turminha e enfrenta a fila que pode durar duas horas até a entrada; ou, de antemão, compra os ingressos com hora marcada no site e sobe assim que chegar. Essa última opção é, sem dúvida, a melhor, já que, diante de tanta empolgação, não dá para segurar os pequenos nem por meia hora.
A aventura começa nos elevadores (o trajeto até o segundo andar – são três, ao todo – também pode ser feito em escadas). O chão vai ficando distante e as ruas, pequeninas, pequeninas. “Olha, todo mundo parece formiga lá embaixo”, dizia Vitor. “Vamos chegar ao céu!”, concluía Gustavo. Estávamos ainda no primeiro andar, a 57 metros do solo, e os dois não continham o entusiasmo. Imagine como seria muitos metros acima… Na primeira parada, mal coloquei os pés para fora do elevador e uma enxurrada de perguntas caiu sobre mim. Ainda bem que, logo, os dois encontraram os passos de Gus (um personagem inventado pela equipe da torre), pintados no chão. Conforme os seguiam, os meninos iam descobrindo painéis cheios de informação e, assim, ficaram sabendo que Gustave Eiffel foi o “inventor” da torre; que ela pesa mais de 10 mil toneladas; e que 7 milhões de pessoas a visitam por ano. No caminho até o segundo andar, a duplinha pôde testar seus conhecimentos no quiz de um livrinho que eu havia baixado do site da atração, na seção “Children’s Tower”. Útil, ele ainda veio com quebra-cabeça, liga-pontos e jogo dos sete erros. Depois de brincar nos dois primeiros pisos, chegou a hora de ir, literalmente, até o ponto alto da visita. A terceira e última parada
do elevador é a 276 metros do chão. Ali, Vitor e Gustavo se calaram diante da imagem da cidade, lááá embaixo. O vento no rosto, a vista sem fim e a sensação de que alcançaram o céu os deixaram extasiados. Depois de alguns minutos assim, sem palavras, Vitor olhou para mim com carinha de dúvida. “Tia, um dia vamos voltar aqui?” Para essa pergunta, eu não tinha resposta exata. Mas fiz que sim com a cabeça e justifiquei com algo de que tenho absoluta certeza: a tia – tanto a Claudia quanto a Eiffel – estará sempre aqui, pronta para recebê-los de volta.

 

COMO CHEGAR A PARIS
Os voos do Brasil pousam normalmente no aeroporto Charles de Gaulle, na cidade de Roissy. Dá para chegar ao centro de táxi (custa cerca de US$ 65), trem (US$ 12) ou ônibus Roissybus (US$ 13; vai até o metrô Opéra). Outro aeroporto muito utilizado é o de Orly. De lá, você também pode ir ao Centro de táxi (sai, em média, US$ 45) ou ônibus Orlybus (US$ 9,11). Os itinerários estão no site ratp.fr, em que você pode reservar bilhetes dos ônibus que fazem os traslados entre os aeroportos. Como circular: Paris tem uma vasta malha de transportes públicos, formada por trens que a ligam aos subúrbios (RER), metrô e ônibus. Os carnês de dez tíquetes, chamados Ticket t+ (cerca de US$ 16,50), são opções práticas para quem está mais no Centro e fará poucas viagens. O cartão Paris Visite é útil para viagens de, ao menos, cinco dias (custa desde US$ 12,70; mais informações em ratp.fr). Outra maneira bacana de circular pela cidade é de bike. Há postos de aluguel da chamada Velib’ em toda a Paris (o bilhete sai a US$ 2,21; mais informações em velib.paris.fr).

E MAIS –  Museus centenários, enormes jardins para brincar à vontade e até uma versão exclusiva da Disney, pertinho do Centro, entretêm a criançada que passa as férias em Paris

MUSEUS

Cité des Sciences et de l’Industrie – Instalado no Parque La Villette, no norte da capital francesa, o museu de ciência e tecnologia tem exposições bem-boladas, além de um planetário e uma esfera geodésica (dentro dela, uma tela de mil metros quadrados é usada para a projeção de filmes sobre a natureza e o espaço). As atrações mais bacanas para a garotada estão, no entanto, na chamada Cité des Enfants, que é dividida em duas áreas: uma destinada a crianças de 2 a 7 anos, outra a pequenos de 5 a 12 anos. Na primeira, os mais novinhos se divertem com atividades educativas, como a que os convida a brincar de construir uma cidade. Na segunda, há vários setores interativos para os mais crescidinhos: no estúdio de televisão, eles apresentam e filmam programas, e no jardim tocam em borboletas, veem como as formigas trabalham e aprendem sobre plantas e flores. Há fraldários em vários andares, e, no salão central, existem também carrinhos de bebê que podem ser retirados mediante a apresentação de um documento. 30, Avenue Corentin-Cariou, metrô Porte de la Villette ou Corentin-Cariou, 33-1/4005- 7090, cite-sciences.fr; 3ª/sáb 10h/18h, dom 10h/19h; desde US$ 10,42; Cc: M, V.

Galerie de Paléontologie et d’Anatomie Comparée –  Parte do Museu Nacional de História Natural, a galeria foi inaugurada em um distante 1898 e, ainda hoje, está dividida em duas grandes áreas. Na de anatomia comparada, os pequenos descobrem que, antigamente, os cientistas tinham de colecionar ossadas de animais para conseguir identificar as diferenças entre elas e categorizar as espécies. Ali, há ossos de peixes e até de homens, dispostos lado a lado para que as crianças possam ver disparidades e semelhanças entre eles. No setor de paleontologia estão os enormes esqueletos de dinossauros, que dividem a sala com fósseis de milhões de anos. 2, Rue Buffon, Jardin des Plantes, metrô Austerlitz, 33-1/4079- 5601, mnhn.fr; 2ª e 4ª/6ª 10h/17h, sáb/dom 10h/18h; desde US$ 8,90.

 

Grande Galerie de l’Évolution – Assim como a Galerie de Paléontologie et d’Anatomie Comparée, a galeria da evolução faz parte do Museu Nacional de História Natural. A ideia do local é mostrar como as espécies do mundo evoluíram desde a primeira forma de vida, surgida há cerca de 4 bilhões de anos. A maioria dos animais é taxidermizada. Não deixe de apresentar as crianças à rara lula gigante, que soma mais de 6 metros de comprimento, e ao rinoceronte que viveu no zoo de Versalhes – e deve ter conhecido o rei Luís XV. 36, Rue Geoffroy Saint-Hilaire, Jardin des Plantes, metrô Censier-Daubenton, 33-1/4079-5479, mnhn. fr; 2ª e 4ª/dom 10h/18h; desde US$ 9,11.

 

Museu do Louvre –  Conhecer este gigantesco e famosíssimo museu pode cansar os pequenos visitantes, é verdade. Mas não deixe de levá-los, sobretudo se já tiverem mais de 6 anos: eles ficarão encantados com tudo que descobrirem durante a visita. A curiosidade começa ainda do lado de fora, assim que eles avistam a enorme pirâmide transparente – o que será que ela guarda lá dentro? No interior, as crianças costumam gostar da seção do Egito Antigo, no andar térreo da ala Sully, repleta de misteriosas múmias (algumas delas são de animais). Não muito longe dali, estão a Vênus de Milo e, na escada para o primeiro andar, a Vitória de Samotrácia, dois tesouros da arte da Antiguidade. Outra obra-prima de visita obrigatória, nem que seja para dar uma olhadinha de longe, no meio da multidão, é a Mona Lisa. A conhecida pintura de Leonardo da Vinci fica no primeiro andar, na ala Denon, e nos arredores há outras obras igualmente belas do mestre – convide as crianças a buscá-las com você. Depois de passar um tempinho no museu, é hora de descansar ou fazer um lanche no grandioso Jardin des Tuileries, que fica logo ao lado. 99, Rue de Rivoli, metrô Palais Royal-Musée du Louvre ou Louvre-Rivoli, 33-1/4020-5317, louvre.fr; 2ª 9h/18h, 4ª 9h/21h45, 5ª 9h/18h, 6ª 9h/21h45, sáb/dom 9h/18h; US$ 15 (grátis para menores de 18 anos).

PARQUES
Bois de Vincennes -  Há tantas atrações por aqui que vai ser difícil ir embora. Com quase 10 milhões de metros quadrados, o bosque reúne gramados ideais para um piquenique em família, além de quatro lagos em que se pode navegar (o aluguel do barco custa US$ 15, para até quatro pessoas). Quem prefere se divertir em terra firme encontra uma ciclovia de 17 quilômetros de extensão para percorrer de bike ou patins, e outros 20 quilômetros de trilha para conhecer a cavalo (o passeio de pônei custa US$ 3,80 e ocorre às quartas, sábados e domingos, das 15h às 18h). No terreno, há ainda espaço para o Parc Floral e um zoológico, que deve ser reinaugurado em 2014. Avenue de Daumesnil com Boulevard de la Guyane, metrô Porte Dorée; 8h30/17h30 (o horário varia conforme a época do ano); grátis. Jardin des Plantes Erguido no lugar em que o rei Luís XIII mantinha um bosque de plantas medicinais, no século 17, o jardim é dos mais indicados para levar as crianças. Isso porque, ali, elas brincam entre 11 jardins muito bem cuidados – um deles, em frente à entrada da Rue Buffon, abriga até uma réplica de dinossauro; em outro, há grandiosas estufas de plantas, a mais antiga construída no século 18 (a entrada custa US$ 7,82). De quebra, o lugar ainda serve de endereço ao zoo Ménagerie (pág. 101), à Galerie de Paléontologie et d’Anatomie Comparée e à Grande Galerie de l’Évolution (leia acima), que compõem o Museu Nacional de História Natural. Entradas pelas ruas Cuvier, Buffon e Geoffroy-Saint-Hilaire e pela Place Valhubert, metrô Austerlitz, Censier-Daubenton ou Jussieu, 33-1/4079-5601, jardin desplantes.net; 8h/19h30; grátis.

 

Jardin du Luxembourg – Com gramados perfeitos, fontes fotogênicas e o prédio do Senado francês, o parque sempre rende um belo passeio. Para torná-lo mais atraente para o público infantil, um enorme playground completa o cenário. Nele, as crianças se escondem dentro de túneis, se divertem nos escorregadores e até se arriscam em uma tirolesa (10h/19h; US$ 1,90 para adultos, US$ 2,30 para crianças). Entradas na Place Edmond Rostand, Place André Honnorat, Rue Guynemer e Rue de Vaugirard, metrô Odéon, 33-1/4407-2829, senat.fr/visite/ jardin; 8h/17h (o horário varia de acordo com a época do ano, consulte o site); grátis.

 

Parc Floral – Dentro do Bois de Vincennes, o parque abriga centenas de espécies de plantas e jardins, além de um parquinho com escorregadores, trepa-trepa em forma de teia de aranha e tirolesa (US$ 2,30). Para complementar o passeio, pais e filhos alugam as chamadas rosalies, carrinhos parecidos com os de golfe que funcionam, no entanto, como bicicletas – a família inteira pode pedalar junta (US$ 15). Esplanade du Château de Vincennes, Route de la Pyramide, metrô Château de Vincennes, 33-1/4957- 2484, parcfloraldeparis.com; 9h30/17h (jun/ ago 9h30/20h); US$ 7,10 e grátis para menores de 7 anos (o ingresso só é cobrado de junho a agosto, às quartas, sábados e domingos; nos demais períodos é grátis).

PARQUES TEMÁTICOS
Cinéaqua – Cavalos-marinhos, polvos, águasvivas e mais de 10 mil peixinhos habitam o aquário de Paris. Eles estão divididos de acordo com suas regiões de origem – a área reservada à Polinésia Francesa, por exemplo, tem corais coloridos, típicos do arquipélago. O tanque que mais atrai olhares da meninada é o que acomoda quatro espécies de tubarão em impressionantes 3 milhões de litros de água salgada. Também é possível acariciar carpas, conhecer moreias e assistir a filmes sobre a vida aquática. 5, Avenue Albert De Mun, metrô Trocadéro ou Iéna, 33-1/4069- 2323, cineaqua.com; 10h/19h; US$ 25, US$ 16 (crianças de 3 a 12 anos), US$ 19,80 (de 3 a 17 anos), grátis para menores 3 anos.

EuroDisney –  O mundo encantado habitado por Mickey e sua turma tem uma filial europeia, bem pertinho do centro de Paris. Lá, a criançada pode brincar o dia inteiro em dois parques: o Disneyland e o Walt Disney Studios. O primeiro reúne atrações que são réplicas do Magic Kingdom de Orlando, como o Castelo da Princesa (que, aqui, é da Bela Adormecida). Instalado nessa área, o Peter Pan’s Flight coloca os pequenos em uma embarcação flutuante que passeia pelo quarto do menino que nunca cresce e segue até a Terra do Nunca. O simulador Star Tours espera os maiorzinhos para um voo impressionante em cenários iguais aos do filme Star Wars. No Walt Disney Studios, películas da grife inspiram brinquedos como a Crush’s Coaster, uma montanha-russa que submerge no “fundo do mar” de Procurando Nemo. O complexo tem, ainda, lojas, restaurantes e hotéis da marca Disney. Para chegar ao parque, que fica a 40 quilômetros de Paris, basta pegar a linha A do trem (RER) e desembarcar na estação Marne La Vallée-Chessy. Place des Passagers des Vents, disneylandparis. com; 10h/21h (Disneyland), 10h/19h (Walt Disney Studios); US$ 44,70 (para os dois parques), grátis para menores de 3 anos.

Ménagerie –  É o zoológico instalado no Jardin des Plantes. Embora os animais de pequeno porte predominem, o zoo também reúne gorilas, panteras e até cangurus, que podem ser vistos bem de pertinho pelas crianças. Flamingos, jacarés, tartarugas, cobras e corujas também estão na lista de moradores. 57, Rue Cuvier, metrô Jussieu, 33-1/4079-3794, mnhn.fr; 2ª e 4ª/dom 9h/18h; US$ 12,80, US$ 10,20 (crianças de 4 a 16 anos), grátis para menores de 4 anos.

 

Parc Astérix – Inspirado nas aventuras do amigo de Obelix, o parque fica a 30 quilômetros de Paris e recebe as crianças em uma ampla área verde, repleta de brinquedos. Eles estão divididos em setores temáticos, que têm decoração baseada nas características de povos da Antiguidade. Os vikings, por exemplo, são representados por seus gigantescos e assustadores barcos, que balançam para cá e para lá e, ao tocar na água, dão um banho na garotada. No setor inspirado no Egito Antigo, o principal atrativo é a montanha- russa chamada Oziris. Ela faz a alegria da turminha mais crescida: os carrinhos correm a 90 quilômetros por hora de cabeça para baixo, deixando todo mundo de barriga voltada para o chão, com as pernas balançando no ar. Todos os dias, um ônibus parte do Museu do Louvre em direção ao Parc Astérix. As saídas ocorrem às 8h45, com retorno às 18h30, e custam US$ 26 (bilhete de ida e volta; grátis para menores de 3 anos). Autoroute 1 no sentido Lille, parcasterix.fr; 10h/18h30 (abr/nov sáb/dom 10h/18h30); US$ 56,20, US$ 42,20 (crianças de 3 a 11 anos), grátis para menores de 3 anos.

OUTROS PASSEIOS
Batobus – Levar as crianças para um passeio de barco pelo Sena é garantia de diversão. Elas vão adorar a ideia de estar em uma embarcação e, ainda por cima, terão a chance de passar por vários pontos turísticos de uma só vez, sem cansar. Dá para descer em até oito atrações pelo tempo determinado no bilhete, incluindo o Jardin des Plantes (pág. 99) e a Torre Eiffel (leia matéria na pág. 94). A Champs-Elysées, o Hôtel de Ville, o Museu do Louvre, o Musée D’Orsay, a Notre-Dame e o bairro Saint-Germain-des-Prés estão incluídos no roteiro. Port de la Bourdonnais, batobus.com; 10h/19h (abr/ago 10h/21h30); US$ 19,20 (1 dia), US$ 23 (2 dias consecutivos), US$ 27 (5 dias consecutivos).

Petit gourmet – Se o seu pequeno fizer cara feia para o fígado de ganso, não se preocupe: há crepes e lanches de sobra em Paris

Foie gras, steak tartare, peito de pato com laranja… As delícias mais frequentes nos cardápios parisienses costumam dar água na boca de gulosos de todo o planeta – mas nem sempre agradam as crianças. Não há, no entanto, com o que se preocupar: na terra da gastronomia ninguém passa fome. Se a ideia for apresentar aos pequenos uma comidinha típica e gostosa da França, vá de crepe: não existe criança birrenta que não goste, ainda mais se a receita vier reforçada de chocolate. O Au P’Tit Grec (62, Rue Mouffetard, metrô Cardinal- Lemoine ou Place Monge; 11h/22h; $) serve a tradicional massa com recheios que vão de presunto e queijo a batata e raclette. O local também prepara sanduíches, assim como o Schwartz’s Deli (16, Rue des Ecouffes, metrô Saint-Paul, 33-1/4887-3129, schwartzs deli.fr; 2ª/6ª 12h/15h e 19h30/23h, sáb 12h/17h e 19h/23h30, dom 12h/17h e 19h/23h; Cc: M, V; $$), que é especialista em hambúrguer. Saboroso, o lanche vem com uma generosa porção de batatas ultracrocantes e aparece no cardápio ao lado de hot dog, sanduíche de pastrami e cheesecake. Outro prato que não costuma falhar na aprovação da criançada vem da Itália, tem massa fina e cobertura farta: é a pizza, facilmente encontrada em Paris. No restaurante Di Loretta (62, Rue Rodier, metrô Anvers, 33-1/4878-4256, pizzadiloretta.com; 3ª/ sáb 12h/14h e 19h/22h, dom 18h30/22h; Cc: M, V; $$), elas são preparadas à moda romana, em formato retangular, e ficam expostas no balcão. No Al Taglio (27, Rue de Saintonge, metrô Filles du Calvaire, 33-9/5048- 8406; 2ª/5ª 12h/23h, 6ª/dom 12h/0h; Cc: A, M, V; $$), as pizzas também são vendidas em fatias, e no La Pizzetta (22, Avenue Trudaine, metrô Anvers, 33-1/4878-1408; 2ª/5ª 12h/14h30 e 19h30/23h30, 6ª/sáb 12h/14h30 e 19h/0h, dom 12h/14h30 e 19h30/23h30; Cc: A, M, V; $$) as redondas servidas à la carte disputam a preferência da clientela infantil com massas simples e apetitosas. Para terminar um passeio (ou no intervalo entre um e outro), Paris tem dezenas de ótimas sorveterias. Não é difícil encontrar gelados gostosos, mas o mais cremoso de todos eles está no Gelati d’Alberto (12, Rue des Lombards, metrô Chatelet; 3ª/dom 12h/0h; $). As crianças vão querer provar o de chocolate, o de pistache, o de coco e o de amarena bem mais de uma vez.

Voltar